sexta-feira, 18 de julho de 2014

Ikebana Sanguetsu


"Deleitando-se com a arte, o homem purifica seu corpo e sua alma. Isso é realmente uma dádiva divina." Mokiti Okada.

Em 1940 Mokiti Okada (1882-1955) cria o estilo Sanguetsu, com intenção de elevar e purificar o espírito do ser humano.

A Academia "Sanguetsu" foi criada por Itsuki Okada, sua filha e Terceira Líder espiritual da Igreja Messiânica Mundial, em 15 de junho de 1972.

A palavra Ikebana significa arte de arranjar flores, ramos e galhos naturais numa composição, evidenciando-lhes a beleza. A origem do estilo KADO SANGUETSU : "KA"tem o mesmo sentido de "HANA"- Flor, "DO" significa Caminho. Assim, "KADO" representa Caminho da Flor.

O povo japonês tem por tradição oferecer flores para as divindades, antes uma prática associada ao Budismo, agora uma tradição que faz parte da cultura nacional.

A missão da flor é trazer harmonia ao ambiente, fazer com que a vida se torne mais alegre e tornar possível a evolução dos sentimentos.

Com diversas técnicas, estilos, escolas e regras, o Ikebana e a mais bela expressão artística atual. Amar o belo, a natureza faz parte da arte da Ikebana Sanguetsu.

A intenção colocada quando se cria um Ikebana, é fazer com que bons sentimentos venham à tona, assim as flores cumprem o papel de embelezar e tornar as pessoas mais felizes e alegres.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Os Zigurates

Num lugar sem rochas, situado entre os rios Tigre e Eufrates, onde terras férteis se estendiam até o horizonte; milhares de tijolos de barro cozidos ao sol, fabricados por centenas de escravos, eram peças fundamentais na construção dos Zigurates. 


Essas obras de arte característica da mesopotâmia foram encontradas por toda região. Ao todo 16 jazigos com restos de Zigurates estão confirmados. Em muito se assemelham com as pirâmides do Egito, mas são muito mais parecidas com os templos da America Central. Tinham base retangular composta de centenas de milhares de tijolos, onde uma série de plataformas sobepostas se assentava. A diferença entre esses templos Sumérios e as pirâmides, eram que os Zigurates tinham um templo no topo, enquanto as pirâmides eram túmulos. Dizem que era uma tentativa frustrada de copiar a famosa Torre de Babel.

Para se chegar ao último pavimento, era necessário usar escadarias intermináveis e estreitas que rodeavam os muros. Os mais antigos dos Zigurates datam do final do terceiro milênio a.C., os mais tardios, do século VI a.C., e as mais notáveis estruturas são as ruínas na cidade de Ur e de Khorsabad na Mesopotâmia. Como em todas as religiões, o medo é que propiciava o controle da elite sobre a população, sabe-se que apenas os sacerdotes podiam entrar em seu interior, e lá os sacerdotes se encontravam com os deuses.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Arte no Objetos e Tramas

O pessoal do Objetos e Tramas tem muito bom gosto, basta ver sua página no Facebook.

Faça uma visita, mesmo sem compromisso e você não vai se arrepender . Tem muita coisa boa lá. 


Muito artesanato e sustentabilidade. Reaproveitamento de sucatas e reciclagem. Um trabalho de compromisso com o meio ambiente e preservação da natureza.

Dá um pulinho lá e curta a página. Compartilhe o que é bom.

Artes, decoração e utilitários. 
Reutilização e Reciclagem de Materiais.

Objetos E Tramas.
Navegue em nosso blog objetosetramas.blogspot.com 
Contatos pelo facebook ou pelo tel 55 84 87266549


terça-feira, 1 de julho de 2014

A Evolução do Artesanato Através dos Tempos

Após o período neolítico, começaram a ser domesticado os primeiros animais. A domesticação de gatos, cães, porcos, burros, vacas, ovelha, patos, vieram influenciar o artesanato da época. Nos templos eram registrados os animais levados para sacrifício e interpretação de augúrios. Na cultura da mesopotâmia, os animais que tinha mais importância, eram o leão e o touro. Os patos e gansos eram criados na mesopotâmia desde 2500 a. C. e influenciaram na fabricação de peças artesanais, como o estojo na foto.


A cerâmica mais antiga é datada do 11º milênio a. C. no Japão. No Oriente médio ela só apareceu três mil anos depois. A fragilidade dessa cerâmica mostra que pertenciam a povos sedentários, pois quebravam facilmente, por isso não podiam ser transportadas. A primeira noticia que se tem da utilização do torno na fabricação dessas peças, são de 4500 a. C. Nessa época já se polia, cinzelava, gravava e fazia incrustações nos utensílios. E vidrar só foi possível depois de 1500 a. C.

No 7º milênio a. C. surge um cerâmica castanho-achocolatada, com motivos muitas vezes surpreendentes, pertencentes à cultura Samara do sul do Iraque. Feitos de alabastro jaspeado, essas talhas, potes e tigelas, eram de uma beleza sem igual. Feitas em fornos de dois metros de diâmetro e muito comercializadas no norte do Iraque.

Mais sobre o Período Neolítico
http://pt.wikipedia.org/wiki/Arte_do_Neol%C3%ADtico

http://www.brasilescola.com/historiag/prehistoria-americana-periodo-neolitico.htm

http://www.suapesquisa.com/pesquisa/neolitico.htm

quinta-feira, 26 de junho de 2014

O Homem e o Cobre

Há 10.000 anos antes de Cristo o homem fazia suas primeiras ferramentas de cobre. Um tipo de artesanato primitivo, mas que viria a influenciar todo o progresso tecnológico, daquele ponto em diante.


Ferramentas antigas

Esse período é chamado de  calcolítico, ou idade do cobre e dele temos poucos vestígios achados enterrados com artesãos, que com certeza os teriam fabricados.

O cobre nativo era conhecido por algumas das mais antigas civilizações que se tem notícia e tem sido utilizado pelo menos há dez mil anos - onde atualmente é o norte do Iraque foi encontrado um colar de cobre de 8.700 a.C. Porém, o descobrimento acidental do metal pode ter ocorrido a vários milênios.


Pedaço de cobre

Havia alguns argumentos de que o cobre seria o primeiro metal a ter sido obtido acidentalmente em fogueiras, mas isso parece improvável, uma vez que fogueiras não são quentes o suficiente para derreter minérios de cobre nem cobre metálico. Um caminho mais provável pode ter sido através dos fornos de cerâmica, inventados na Pérsia (Irã) por volta de 6000 a.C. Fornos de cerâmicas, além de, logicamente, produzirem cerâmica, também podiam derreter certos quartzos de diferentes cores para vitrificar e tornar vasos de cerâmica coloridos; acontece que a malaquita (um minério de cobre oxidado) é uma pedra verde colorida, e um oleiro que tentasse produzir algum vidro com malaquita acabaria obtendo cobre metálico. Assim pode ter iniciado a metalurgia do cobre.

Outra suposição, é que incêndios causados por raios podem ter derretido pedaços desse metal encontrados pelos homens daquele período, que depois de vê-los com outra forma tiveram a percepção de usar altas temperaturas para moldar objetos.

fonte: