sábado, 28 de dezembro de 2013

Mr. Tambourine Man - Bob Dylan

No início de 1960, Bob Dylan, um jovem cantor de humor cortante, com suas letras atuais expressivas e o seu estilo de cantor nasal, começou a fazer um grande sucesso  especialmente na Nova Iorque. Surgia aí um dos maiores poetas contemporâneo americano, que se tem notícia. Robert Allen Zimmerman, mais conhecido como Bob Dylan, nasceu no estado de Minnesota, neto de imigrantes judeus-russos, no início de sua carreira seu estilo era a folk music, influenciado pelo fantástico cantor folk, Woody Guthrie.



Hei! Senhor Tocador de pandeiro, toque uma canção para
mim,
Não estou dormindo, e não há lugar onde eu possa ir.
Hei! Senhor Tocador de pandeiro, toque uma canção para
mim,
Na aguda manhã desafinada eu o seguirei.

Embora eu saiba que todo império retornou ao pó,
Varrido de minha mão,
Deixando-me cegamente aqui parado, mas ainda não
dormindo.
Meu cansaço me espanta, estou plantado por meus pés,
Não tenho quem encontrar,
E a velha rua vazia está muito morta para sonhar.

Hei! Senhor Tocador de Pandeiro, toque uma canção para
mim,
Não estou dormindo, e não há lugar onde eu possa ir.
Hei! Senhor Tocador de Pandeiro, toque uma canção para
mim,
Na aguda manhã desafinada eu o seguirei.

Leve-me a uma viagem em sua mágica nave ressoante,
Meus sentidos foram arrancados, minhas mãos não podem
segurar,
Meus pés estão muito dormentes para pisar, esperando
apenas minhas botas
Para perambular.
Estou pronto para ir a qualquer lugar, estou pronto
para desaparecer
Em minha própria parada, moldando sua dança a meu
caminho,
Eu prometo segui-la.

Hei! Senhor Tocador de Pandeiro, toque uma canção para
mim,
Não estou dormindo, e não há lugar onde eu possa ir.
Hei! Senhor Tocador de Pandeiro, toque uma canção para
mim,
Na aguda manhã desafinada eu o seguirei.

Embora você possa ouvir-me rindo, girando, dançando
loucamente através do sol.
Não está vendo ninguém, está só fugindo correndo,
Pois no céu não há cercas revestidas.
E se você ouvir traços vagos de rimas enroladas
Para o seu tamborim no momento, é apenas um rude
palhaço atrás,
Eu não lhe pagaria mente alguma, é apenas a sua
sombra,
Visto que está lhe perseguindo.

Hei! Senhor Tocador de pandeiro, toque uma canção para
mim,
Não estou dormindo, e não há lugar onde eu possa ir.
Hei! Senhor Tocador de pandeiro, toque uma canção para
mim,
Na aguda manhã desafinada eu o seguirei.

Então me faça desaparecer através dos anéis de fogo de
minha mente,
Abaixo das ruínas nebulosas do tempo, passando ao
longe das folhas congeladas,
O assombro, árvores assustadoras, para fora da praia
ventosa,
Longe do alcance distorcido da tristeza insana.
Sim, para dançar sob o céu de diamantes com uma mão
acenando livremente,
Em silhueta para o mar, circulado por areias
circulares,
Com toda a memória e destino navegando profundamente
abaixo das ondas,
Deixe-me esquecer do hoje até amanhã.

Hei! Senhor Tocador de Tamborim, toque uma canção para
mim,
Não estou dormindo, e não há lugar onde eu possa ir.
Hei! Senhor Tocador de Tamborim, toque uma canção para
mim,
Na aguda manhã desafinada eu o seguirei.

sábado, 14 de dezembro de 2013

Livros são Ótimos Presentes de Natal

Quer dar bons presentes de natal para quem você gosta?

Dê livros da Editora Patuá.

A leitura nos mostra um caminho mais rápido para a cidadania.

Livro Universo Interior de Victor S. Gomez

Victor S. Gomez é escritor, artista plástico, ator e educador social.
Fundador da ONG CECI – Centro Cultural Criança Cidadã – Seropédica (2002-2005). Coordenador do curso de informática das ONGs CADECS e CECI em parceria com o CDI (Comitê para Democratização da Informática), durante os anos de 2000/2005.
Participou como convidado do evento de meio ambiente TEDx-Amazônia, representando a cidade de Valença (2010). Em 2011 recebeu o Título de Cidadão Valenciano pela Prefeitura Municipal, pela imensa contribuição e relevantes serviços prestados ao município de Valença. Voluntário da AGFORV - Associação dos Grupos de Folias de Reis de Valença exercendo a atividade de Fotografia, Filmagem e Divulgação na Internet (2013).


Livro Outro Dia de Folia de Eduardo Lacerda

Eduardo Lacerda, autor do livro de poemas Outro dia de folia, nasceu em Porto Alegre em 1982, mas vive em São Paulo, cidade que ama, desde os dois anos de idade. Cursou Letras, com habilitação em Português e Linguística, na Universidade de São Paulo, mas não concluiu o curso. Como um legítimo geminiano, também não conseguiu concluir nada até hoje. Coeditou a Revista Metamorfose e O Casulo – Jornal de Literatura Contemporânea. Já trabalhou como assistente de produção cultural na Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura e como produtor cultural no Programa São Paulo: um Estado de Leitores. Atualmente, é coeditor da Editora Patuá, onde acredita que livros são amuletos. Tem poemas publicados em revistas eletrônicas e impressas como Entrelivros, Mirante, Ventos do Sul, Cronópios, Germina e em algumas antologias, como a Antologia Vacamarela e El Vértigo de los Aires (México). Não se considera poeta, sua verdadeira paixão é fazer nascer livros e poetas. Não se leva a sério, embora leve a sério a literatura. Por fim, gosta de truco, tango, cerveja, tarot, video-games e orquídeas. Outro dia de folia foi premiado pelo ProAC 2011 - Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo.


Livro Desnorteio de Paula Fábrio

Autora do romance Desnorteio, Paula Fábrio nasceu em 1970 na cidade de São Paulo. Formada em Comunicação Social pela Faap, atuou como redatora de publicidade. No campo literário, idealizou e dirigiu a Rato de Livraria, gerenciou o acervo da Biblioteca de São Paulo e atualmente escreve artigos para revistas acadêmicas. Desnorteio recebeu o Prêmio São Paulo de Literatura - na categoria de autor estreante -.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Arte Sol: Em Prol do Artesanato Solidário

O novo site da ArteSol mostra um trabalho de grande valor. Eles são uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), que se preocupa com a sociedade e tem uma política de responsabilidade sócio ambiental, o que já faz dele um um importante trabalho em benefício de todos. Sempre voltados para as populações mais carentes, buscam a preservação da cultura popular, preservando o artesanato tradicional, além de buscar a transformação social do segmento que apóia.


O ArteSol ainda oferece capacitação em diversas áreas, visando a melhoria do trabalho artesanal e a geração de renda para o artesão, além de  ser contra o trabalho infantil e a favor do respeito ao meio ambiente.


"O ArteSol nasceu da preocupação sensível de pessoas reunidas em torno do desejo e da necessidade de oferecer respostas a desafios colocados pela realidade social brasileira. Inicialmente idealizado como projeto de combate à pobreza em regiões castigadas pela seca, o Artesanato Solidário/ArteSol foi concebido em 1998 como um programa social, e a partir de 2002, tornou-se uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público).

Suas ações beneficiam particularmente brasileiros situados nas comunidades mais pobres do país. É uma iniciativa norteada pela convicção de que as práticas culturais populares, como o artesanato tradicional, são um poderoso acervo para transformações sociais." Leia mais...

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Arte e Artesanato da Indonésia

Um povo formado por dezenas de etnias transformou esse recanto da Ásia num caldeirão mágico e repleto de criatividade. A Arte e o artesanato da Indonésia, nos mostra como vários povos de diferentes culturas, podem viver em harmonia e cercado de beleza.


A grande diversidade da arte e do artesanato na Indonésia é fruto dos mais 300 grupos étnicos desse país. Os vários grupos de todo o arquipélago tem a sua própria língua ou dialeto, a culinária, trajes tradicionais e casas tradicionais e eles também têm desenvolvido um trabalho próprio em tecidos, enfeites, esculturas e peças para uso diário e celebrações especiais. Esse imenso e rico patrimônio cultural de arte e de artesanato, é uma das verdadeiras riquezas nacionais da Indonésia.




As diversas formas de arte da Indonésia remontam dos cultos aos ancestrais, hindu ou budista. A influência estrangeira sobre as formas de arte da Indonésia, foi provocada por séculos de exposição a outras culturas por meio do comércio.

Imigrantes da China, Índia, mundo árabe viajaram para o arquipélago em busca de especiarias da Indonésia. Estes comerciantes trouxeram consigo uma rica tradição artística, que influenciou o desenvolvimento da arte local.





fonte: http://www.expat.or.id

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Gilberto Monteiro, Amor à Poesia

O Professor Gilberto Monteiro, mostra seu amor à poesia e abrilhanta hoje o Blog Talento da Terra.

Gilberto Wilson Lima Monteiro 27/09/11940 — Fazenda do Retiro — 5º Distrito de Valença — RJ


1966 — Bioquímico pela Faculdade Nacional de Farmácia e Bioquímica. 

- Professor aposentado do Estado do Rio de Janeiro — Ciências e Química 
- 10 Diretor do Polo Agrícola de Valença Diretor do Colégio Estadual Theodorico Fonseca 
- Vereador por dois mandatos (92 a 2000) 
- Presidente e Secretário da Câmara Municipal de Valença 
- Secretário Municipal de Agropecuária e Meio Ambiente 

- Secretário Municipal de Cultura e Turismo 
- Presidente do Conselho Diretor da Casa Léa Pentagna 
- Sócio Gerente do Laboratório de Análises Clinicas Marques de Valença desde 1967, período em que atendeu ao S U S

Gosta de escrever. Lê muito. É otimista e sempre alegre. 

Publicou o livro MOSAICO, em 2011, no Mercado Municipal de Valença. 

Escreve regularmente no Jornal Local

Acredita que sua poesia seja muito real. 

Crê no casamento e tem a opinião de que não se casa com uma pessoa só, mas sim, com uma família.


Carrossel

Tão depressa ele ia
e eu de príncipe
me fazia
sem saber
se chegava
ou
se partia.

O carrossel encantado
me levava
e rodando
iam os cavalos
brancos, azuis, prateados.


Ao sol

Assim dependuradas
parecem
bandeiras
múltiplos formatos
tantas cores
diferentes malhas
uma grossa
outra fina
secando ao sol
parecem de Volpi
uma festa junina.


Questão

A reposta vem depois
e num segundo
pode chegar eivada
de mentira
de disfarce
de ironia.
Num segundo
ela é fabricada
e pode ser falsa
cheia de volteios
como a valsa.

Vindo primeiro
vale mais a pergunta
que nada disso
junta.


Momentos

Às vezes fico
assim
não receptivo
triste
pessimista...
Por demais realista.
Assim
de mau humor
sem invenção
desamado
quase coitado
fico estrangeiro
dentro de
mim.


fotos: Victor S. Gomez

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Artesanato Guirlanda de Papel

Natal chegando!

Bastante simples de fazer, essa guirlanda de papel vai dar o toque que faltava à sua casa nesse natal.

É só seguir pelas imagens, que você consegue montar essa linda peça artesanal.


Não tem mistério, mas se você sentir alguma dificuldade vá no link e veja o tutorial, ele está em inglês, mas é só usar o tradutor do google, e pronto.

http://www.theredthreadblog.com/paper-christmas-wreath-tutorial

Material necessário:
  • tesoura
  • grampeador
  • fita adesiva
  • dois tipos de papéis diferentes







sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Casa Lea Pentagna Precisa de Ajuda

A Casa Léa Pentagna está realizando o sorteio de uma TV de 50¨ LG no valor de R$10,00 o bilhete. O dinheiro é para pintura do Centro de Eventos que está na fase de acabamento. O sorteio será pela Loteria Federal,dia 21 de dezembro. Esperamos a colaboração e a solidariedade de todos, pois a Casa Lea Pentagna é um simbolo cultural de nossa cidade. 

Ao morrer em 1983, D. Léa Pentagna deixa, em testamento, que sua propriedade seja transformada na Fundação Cultural e Filantrópica Léa Pentagna.


Léa Pentagna, ao deixar seus bens para o povo, estava na verdade, confirmando o espírito solidário de sua família que entre os feitos já declarados foi, também, responsável pela criação da primeira escola de 2º grau em Valença, pela reforma da Igreja do Rosário e pela doação da Chácara Pentagna à Diocese de Valença.


Assim, a Fundação nasceu: do desejo de Léa Pentagna de "propagar, estimular e proteger o gosto pelo estudo das ciências, artes e letras".

A casa se abre para palestras, cursos, exposições, vídeos, apresentação de música erudita e popular e atende às Escolas durante a semana com hora marcada e, também, aos turistas em visitas orientadas, aos sábados, domingos de 9h30min às 12h30 min e de 14h às 17:h.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Porta Incensos de Catia Sardou

Onde se encontra o limite entre a arte e o artesanato? É difícil explicar.

Catia Sardou se supera a cada dia com seu trabalho, que não se limita a ser apenas uma mera peça de artesanato, mas um trabalho fino e requintado, que merece ser apreciado por todos.


Buscando inspiração em várias frentes, tanto na literatura, como no folclore e na mitologia, essa artista nos apresenta seres que ganham vida nas cores e formas delicadamente feitas pela artesã.

O prazer não está apenas no olhar, mas quando se aprecia com as mãos, sentimos o amor depositado em cada peça.
















segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Artesanato em Couro

Essa é uma postagem do Blog Artes da Feira Hippie de Ipanema.

Com a chegada do Natal devemos nos preocupar com preço e também com qualidade.


As peças de artesanato do amigo Daniel Silva tem preço e qualidade para lá de satisfatórios, além de serem muito bonitas.

Quem não gostaria de receber uma caixinha como essa para guardar suas bijuterias ou outras coisinhas mais.

Se você for a Feira Hippie de Ipanema não esqueça de procurar o Daniel. Preço e qualidade é com ele.

Daniel Silva
Arte em couro- caixas revestidas
Contato:
Tel; 21-99112104 / 71360706







terça-feira, 15 de outubro de 2013

Artesanato em Origami: Tsuru


Segundo a lenda, o Tsuru, vive mil anos e tem o poder de conceder desejos. Se uma pessoa dobrar mil Tsurus e fizer seu desejo a cada um deles, ele será atendido.

O Tsuru trás boa sorte, felicidade e saúde.

Fazer artesanato em origami também pode ser um ótimo relaxante para aliviar o stress do dia a dia.

Assista o vídeo e siga o diagrama. Você verá como é fácil fazer esse origami de papel.

Um artesanato simples e bonito e que também pode lhe trazer boa sorte.





terça-feira, 8 de outubro de 2013

Museu de Arte Ibérico El Cigarralejo


O complexo arqueológico de El Cigarralejo "está localizado na cidade de Mula (Murcia), uma colina íngreme que desce para o rio Mula. Localizado a 2 km de Mula, é definido em uma de seus lados por uma massa de rochas do Eoceno, que é uma defesa natural da cidade. Paralelamente existe outro afloramento rochoso sobre o qual se encontra o santuário Ibérico


O Museu de Arte Ibérico El Cigarralejo é inteiramente dedicado à exibição do acervo arqueológico da necrópole de El CigarralejoAtravés de uma viagem de dez quartos, 80 objetos funerários são apresentados em ordem cronológica completa. Ao mesmo tempo, cada uma dedicada a um dos principais problemas sócio-cultural do mundo ibérico.




Museu de Arte Ibérico El Cigarralejo


Del Marqués, 1

Mula (30170) -Murcia - Espanha
Tel: 968661422
Fax: 968661422
Horario:
Segunda a Sexta: 9:00 – 14:00 h.
Sábados: 9:30 h – 14:00 h.
Domingos e feriados: 10:30 – 13:00 h.
contacto@museocigarralejo.com
http://www.museocigarralejo.com


Vídeo histórico para o Museu de Arte Ibérico El Cigarralejo.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Artesanato Navajo


O artesanato dos índios Navajos é descrito como completamente honesto e apaixonado.  

A arte popular Navajo é muito pessoal, muitas vezes excêntrica, charmosa e reflete a vida rural. Autodidata os artesãos criam obras de tradições comuns, que fazem parte do cotidiano das pessoas. Cada peça encarna o amor pela arte que vem do artista individual e exprime a opinião Navajo do mundo e das pessoas, animais e espíritos dentro dela.  




Habilidosos artesãos com a madeira, os Navajos, também dominaram o trabalho com a prata no final do século XIX. Aproximadamente em 1872 um dos primeiros ourives Navajo, Atsidi Chon, comercializou obras em prata.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Fundação Cultural e Filantrópica Léa Pentagna



Léa Josephina Pentagna nasceu em 1909, na cidade de Piracicaba SP e faleceu em Valença, em 1983. De espírito alegre, vaidosa com sua aparência, boa para seus empregados, tinha verdadeira adoração por seus irmãos, Vito e Léo. Relacionava - se bem com a mãe, D. Alzira, com quem gostava de passar horas bordando.

Em virtude de seu gosto pela arte e de suas constantes viagens, conheceu artistas famosos, dentre eles, os escritores Lúcio Cardoso e Maria Helena Cardoso e o pintor espanhol Perez Rubio.

Além de apoiar financeiramente eventos culturais a Sra. Léa cedia sua própria residência para a Academia Valenciana de letras realizar reuniões e festas e, também, para as filmagens de " A Casa Assassinada", dirigido por Paulo Cesar Saraceni, com Norma Benguell, Carlos Kroeber no elenco.

Hoje em dia a Casa Léa Pentagna, oferece shows de música, teatro, exposições e diversos outros eventos culturais.