segunda-feira, 10 de novembro de 2014

O País do Ouro

Foram necessários 8 anos de preparativos, depois que Francisco Pizarro ouviu a historia do velho cacique de Comagre, sobre a existência de um país coberto de ouro, para que a expedição se colocasse a caminho. Acompanhado de Almagro, um guerreiro e aventureiro e de Ferdinando de Luque, seguiram rumo ao sul. Essa seria a segunda expedição, pois a primeira havia malogrado e voltara sem nada conseguir. Era o ano de 1532, quando Pizarro encontrou uma jangada de vela triangular, com dois homens que não se pareciam com índios, e que levavam consigo inúmeras peças artesanais em ouro e prata. Depois desse encontro tiveram certeza que o país do ouro realmente existia. Relatos contam que ao chegar a costa Peruana, os espanhóis estavam famintos e começaram a se alimentar de raízes e ervas. Atravessaram pantanais e sofreram ataques de índios por diversas vezes.

Rumando mais para o sul Pizarro e seus homens encontraram com guerreiros peruanos, que muito se impressionaram com a caravela que os transportavam. Depois de troca de presentes, seguiram viagem e depois de conseguir reforços, penetram mais em território peruano. Com cerca de 110 infantes e 67 cavalheiros, o menor exercito já visto, conquistou um dos maiores impérios do mundo.

Teria sido a curiosidade do imperador Ataualpa Yupanqui, em querer saber se seriam os espanhóis o deus Viracocha que voltara? ou seria excesso de orgulho e vaidade? A cada dia mais e mais avançavam e poderiam facilmente ter sido esmagados nas trilhas das montanhas, mas nada foi feito. Na cidade de Cajamarca após a chegada de Ataualpa, travou-se uma batalha das mais sangrentas, mais ou menos oitocentos índios foram mortos.

A rapidez do ataque dos homens de Pizarro deixou atônitos os índios, que passavam dos 10.000. Apavorados por nunca terem visto homens montados em cavalos, mostraram uma apatia que exasperavam os espanhóis. Em cerca de meia hora aquele pequeno exército aprisionou Ataualpa e pôs fim ao país do ouro.

fonte: O Segrêdo dos Incas - Siegfried Huber

0 comentários:

Postar um comentário

Caso tenha gostado do que encontrou aqui, comente o artigo que acabou de ler.