segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

A Paz dos Ingênuos - Texto de Victor S. Gomez

As vezes me pergunto: Por que eu escrevo? A resposta eu sei, mas não deixo nunca de fazer essa pergunta. Me levará isso até onde? Ou isso me tirou de um lugar mais obscuro, triste que só Deus sabe o mal que me faria. Volta e meia a vida nos premia com a chance de sermos melhores, então só nos resta aproveitarmos.

Folia de Reis, Valença - RJ

A Paz dos Ingênuos - Victor S. Gomez - Escritor

Onde se esconde o mais bem guardado de todos os segredos?
Onde está a chave que abre esse lugar?
Por que somente poucos podem passar por essa porta?
Tenho medo da resposta.
Tenho medo de entender o que move o universo,
o que move o mundo,
o que move nossas vidas,
de entender o que disparou o gatilho.
Verdes mares ensurdecedores,
ilógico mundo em que habito,
como faço para não me deparar com a verdade que cega,
com a verdade que me enoja?
Que pessoas são essas que habitam esse lugar,
que não dizem nunca a verdade,
que destroem sonhos,
que destroem vidas?
Como explicar isso para aqueles que choram sobre o sangue derramado na sarjeta,
que corre em direção ao ralo,
que desce esgoto a dentro,
e viram alimento para os ratos?
Onde se esconde o mais bem guardado de todos os segredos?
Onde está a chave que abre esse lugar?
Por que somente poucos podem passar por essa porta?
Tenho medo da resposta.
E meu medo aumentam quando as rixas ocorrem entre amigos,
quando nem meu pai me olha mais,
quando tenho que abaixar a cabeça,
me escondendo de todos, de tudo.
Verdes mares ensurdecedores,
ilógico mundo em que habito,
como faço para não me deparar com a verdade que cega,
com a verdade que me enoja?
Quantas vezes senti o cheiro podre da corrupção,
quantas vezes me vi cercado pelos abutres que se digladiavam sobre a carniça,
sobre os corpos esfacelados,
seus músculos amostra e querendo mais e mais.
Paz na terra aos homens de boa vontade,
penso, rezo, peço em minhas preces,
só querendo a paz encontrada apenas nas grande naves,
com o Cristo que foi pregado na cruz injustamente.
Onde se esconde o mais bem guardado de todos os segredos?
Onde está a chave que abre esse lugar?
Por que somente poucos podem passar por essa porta?
Tenho medo da resposta.
Não espero o lugar mais belo,
onde os anjos cantam todas manhãs,
quero a paz dos ingênuos,
a paz que somente encontramos nos recém nascidos.

* Aviso: A cópia de qualquer texto sem autorização expressa do autor constitui crime de violação de direito autoral, conforme o art.184 do código penal cominado com a lei nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caso tenha gostado do que encontrou aqui, comente o artigo que acabou de ler.

Mais Visitados: